A ABEn é a primeira entidade representativa da Enfermagem brasileira.

Em 1926, com apenas 3 anos de criação da Escola Anna Nery, as enfermeiras que atuavam como docentes e as estudantes da escola, tomando para si o desafio da organização social da profissão, uniram-se para criarem da Associação Nacional de Enfermeiras Diplomadas (ANED), entidade de caráter cultural, científico e político que mais tarde passaria a denominar-se Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn).

  • A importância da educação em enfermagem para o desenvolvimento da profissão

    Houve um pedido de apoio de Carlos Chagas à International Health Board (IHB) para implantação do Serviço de Enfermeiras no Brasil,Em 1921 a enfermeira americana Ethel Parsons veio ao Brasil para a criação de um serviço de enfermeiras no Departamento Nacional de Saúde Pública. Em 1923 Miss Lillian Clayton, enfermeira americana que fazia parte do Comitê para o estudo da educação em enfermagem, defendia a idéia de que “para uma profissão se desenvolver e progredir, era necessário ter, além de uma escola, uma Associação e uma Revista”

  • Fundação da ANED: A defesa da enfermagem profissional

    Em 12 de maio, as primeiras 12 enfermeiras diplomadas pela Escola de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde Pública, atual Escola de Enfermagem Anna Nery, no Rio de Janeiro, criam a Associação Nacional de Enfermeiras Diplomadas (ANED).

    A ANED tem como objetivo principal a defesa da enfermagem profissional e o fortalecimento da categoria.

  • Reconhecimento da ANED pelo governo federal: Um passo importante para a regulação da profissão

    A ANED é reconhecida pelo governo federal como entidade de utilidade pública.

  • 1º Congresso Nacional de Enfermagem: Um marco para a enfermagem brasileira

    Por sugestão de Madre Maria Domineuc, o 1º Congresso Nacional de Enfermagem, assim denominado à época, ocorreu entre os dias 17 e 21 de março de 1947, em São Paulo, e foi realizado pela então Associação Brasileira de Enfermeiras Diplomadas, atual ABEn, que tinha como presidente, Zaira Cintra Vidal

  • Fundação da ABEn: A enfermagem brasileira se fortalece

    Em 23 de setembro, enfermeiras radicadas em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, fundam a Associação Brasileira de Enfermeiras (ABEn).

  • Mudança de nome da ABEn: Uma atualização para a realidade da profissão

    A ABEn muda de nome para Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn).

    A associação também passa a incluir técnicos e auxiliares de enfermagem em sua base.

  • Publicação da Revista Brasileira de Enfermagem: Um marco para a divulgação da produção científica da enfermagem brasileira

    A ABEn publica a primeira edição da Revista Brasileira de Enfermagem, uma publicação científica de referência na área.

    A associação também começa a organizar congressos estaduais de enfermagem.

  • Aceitação da ABEn pela FEPPEN: A enfermagem brasileira se internacionaliza

    A ABEn é aceita como membro da Federação Pan-Americana de Associações de Profissionais de Enfermagem (FEPPEN).

  • Participação da ABEn no movimento pela regulamentação da profissão de enfermagem: Uma luta vitoriosa

    A ABEn participa ativamente do movimento pela regulamentação da profissão de enfermagem no Brasil.

    A lei que regulamenta a profissão é aprovada em 1986.

  • Modernização e profissionalização das atividades da ABEn: Uma nova fase para a entidade

    A ABEn inicia um processo de modernização e profissionalização de suas atividades.

    A associação também passa a investir em ações de educação continuada e desenvolvimento profissional para a enfermagem.

  • Publicação do primeiro Código de Ética da Enfermagem do Brasil: Um marco para a regulamentação da profissão

    A ABEn publica o primeiro Código de Ética da Enfermagem do Brasil.

    A associação também começa a promover campanhas de conscientização da população sobre a importância da enfermagem.

  • Criação do Departamento Científico de História da Enfermagem (DHE): Um compromisso com a preservação da memória da enfermagem brasileira

    A ABEn cria o Departamento Científico de História da Enfermagem (DHE).

    O DHE tem como objetivo preservar e divulgar a história da enfermagem brasileira.

  • Comemoração do centenário da ABEn: Uma celebração da história e da importância da enfermagem brasileira

    A ABEn comemora seu centenário.

    A associação é reconhecida como uma das principais entidades de representação da enfermagem no mundo.

Uma luta incansável

Construção da Sede da Aben Nacional em Brasilia

  • Shape
  • Shape
  • Shape
  • Shape


  • A doação do terreno em Brasília só saiu quatro anos depois, em 30 de novembro de 1962.A área doada era parte desmembrada da fazenda Bananal e integrantedo plano urbanístico da Capital Federal, zona urbana, do setor de Grandes Áreas, módulo Bda superquadra 603, daAvenida L2 Norte, totalizando 5.000m2

    Vencida essa etapa, começou a árdua tarefa de se conseguir a posse definitiva do terreno, o que acabou levando mais quatro anos, retardada, em parte, pelo movimento de 1964. Por várias vezes, a ABEn esteve na iminência de perder o terreno doado. O primeiro processo ocorreu em 1964, pois a Novacap estipulava uma série de exigências para a transmissão de posse, entre as quais, a apresentação da planta, plano de custo da construção e o compromisso da entidade de iniciar a obra dentro de um prazo de seis meses e concluí-la em um curto espaço de tempo, caso contrário, perderia o terreno.

    Em 3 de março de 1967, saiu o ato de assinatura de posse do terreno. A escritura de doação foi lavrada no 1º Ofício de Notas, sob o nº 7.949, com a assinatura da presidenta Circe de Melo Ribeiro. O valor da doação, para efeitos legais, foi de 4.500,00 cruzeiros novos. O início e término das obras ficaram estabelecidos emdoismesesedoisanos, respectivamente, a partir da data de posse do terreno.

    O lançamento da pedra fundamental ocorreu em 21 de julho de 1967, durante o XIX CBEn, em Brasília, com a presença do presidente da Novacap e grande número de congressistas. Em setembro do mesmo ano, a ABEn respondeu a novo processo de reintegração de posse do terreno. A empresa Severo e Villares S.A., sediada no Rio de Janeiro, foi contratada em janeiro de 1968 para executar as obras de construção da sede. Apesar da execução da terraplenagem e outras medidas preliminares, a Novacap ameaçou em dezembro do mesmo ano a retomada do terreno, alegando que a construção não estava sendo feita no prazo estabelecido. A ABEn entrou com recurso comprovando que as plantas da sede ainda não haviam sido liberadas pela prefeitura do Distrito Federal.

    Finalmente, em 15 de maio de 1971, a entidade pode comemorar a inauguração de sua bela sede em Brasília, durante as comemorações da 32ª SBEn, com a colocação de duas placas, a da inauguração e a placa institucional e individual, com os nomes das pessoas que contribuíram para o término da obra. Foi um momento de regozijo para todos os enfermeiros e de desafogo para o grupo mais diretamente envolvido na construção da sede, como se percebe na fala da presidenta Amália C. Carvalho, na Assembléia de Delegados, registrada no documentário feito por Anayde Corrêa de Carvalho:

    Para nós, estes dois últimos anos serviram de testemunho da união que existe entre as associadas daABEn; mostraram-nos do que é capaz um pequeno grupo constituído de mulheres na sua quase totalidade, quando reunido em torno de um ideal forte e válido. Este grupo, àcustade trabalhos e sacrifícios individuais, agindo através das Seções e dos Distritos, deixará para as novas gerações de enfermeiras um patrimônio de incansável valor social e cultural. Passará à história da enfermagem brasileira, no capítulo destinado à narração das importantes realizações daABEn.

    Amália C. Carvalho


    Features Images
    Features Images


    Nessa luta incansável para construir a sede administrativa da ABEn em Brasília, a ABEn deve muito à dedicação e diligência dos membros da diretoria e de todos os associados, mas, em particular, aos enfermeiros da Seção-DF que trabalharam de forma incansável no levantamento da documentação inicial e, posteriormente, nos processos referentes à retomada do terreno, na arrecadação de fundos para financiar a construção e nas articulações políticas junto às autoridades da capital federal.